1.9.11

* PNEUMONIA EM IDOSOS

Idosos têm 20% mais chances de contrair a doença. Tratamento precoce ajuda na recuperação mais rápida do paciente e diminui o tempo de internação
Com a chegada do Dia Nacional do Idoso (27 de setembro) e o Dia Mundial da Terceira Idade (1º de outubro), médicos alertam para os cuidados com a saúde desta população, especialmente com a saúde dos pulmões. Dos 24.756 óbitos por pneumonia registrados no último levantamento do SUS (2005), 70% eram pacientes com mais de 65 anos. Dados do DATASUS mostram que a pneumonia é a principal causa de internação hospitalar no Brasil, totalizando 900 mil casos por ano. No entanto, segundo estudo clínico internacional com pacientes de mais de 65 anos que foram hospitalizados com pneumonia adquirida fora do ambiente hospitalar, o tratamento precoce diminui o tempo de internação em 3 a 5 dias e proporciona a recuperação mais rápida do paciente.

O estudo clínico comparativo CAPRIE (sigla em inglês para Recuperação da Pneumonia Adquirida na Comunidade em Idosos) avaliou a eficácia e a segurança do antibiótico AVALOX® (cloridrato de moxifloxacino), da Bayer Schering Pharma (divisão da Bayer HealthCare), em comparação com o levofloxacino, no tratamento de pacientes com mais de 65 anos de idade internados com pneumonia adquirida fora do ambiente hospitalar. No início do tratamento, os pacientes receberam o medicamento AVALOX® na apresentação endovenosa e, após a alta hospitalar, na apresentação oral 1 vez ao dia. Em outro grupo de pacientes foi administrado o medicamento levofloxacino endovenoso e oral. O estudo comprovou a mesma eficácia do cloridrato de moxifloxacino nas duas posologias e demonstrou que 97,9% dos pacientes recuperaram-se com maior rapidez do que os pacientes tratados com o outro medicamento.

Para o Dr. Alex Macedo, mestre em Pneumologia pela Unifesp, professor de Pneumologia da Unimes (Universidade Metropolitana de Santos) e da Unilus (Centro Universitário Lusíada), o estudo clínico mostra que a agilidade entre o aparecimento dos sintomas da doença e o início o tratamento é primordial para a recuperação do paciente idoso. “A ação rápida do antibiótico garante ao paciente menos tempo de hospitalização e, consequentemente, recuperação mais rápida e taxa de cura superior”, comenta. O especialista lembra que quanto menor for o número de vezes da administração do medicamento oral ao dia, maior será a adesão ao tratamento. O estudo CAPRIE foi publicado na revista médica Clinical Infectology Diseases e envolveu 401 pacientes com mais de 65 anos de idade, sendo 61% com mais de 75 anos.

Idosos têm 20% mais chance de contrair a doença

A pneumonia é uma infecção dos pulmões causada por vírus ou bactérias adquiridas no ar e os principais sintomas são dores no corpo, febre alta e tosse com secreção amarelada. Em 80% dos casos, as pneumonias são classificadas como não graves e podem ser tratadas em casa. “Mas as pneumonias graves, comuns em doentes com mais de 60 anos, respondem por 20% dos casos e estão relacionadas com outros fatores como idade, alteração da pressão arterial e da freqüência cardíaca”, informa o pneumologista. Nesses casos, a doença precisa ser tratada inicialmente com medicamento intravenoso e requer a internação do paciente.
Dados do Ministério da Saúde revelam que o maior número de internações e óbitos por pneumonias no Brasil ocorre nas idades extremas, isto é, nas crianças e nos idosos acima de 60 anos. “Os idosos possuem 20 vezes mais chance de contrair a pneumonia do que os jovens. Isso ocorre devido ao sistema imunológico debilitado e a presença de outras doenças comuns na terceira idade como diabetes, problemas cardíacos, no rim e outras”, explica Macedo. O médico informa que a incidência da pneumonia e da mortalidade aumentam em 5% nos grupos de pacientes idosos.

Como prevenir

Os idosos precisam receber cuidados especiais para prevenir a pneumonia e para se recuperar da doença. Com a idade, a capacidade de absorção dos nutrientes diminui e o sistema imunológico enfraquece. “A suplementação alimentar é essencial, assim como a ingestão de líquidos e as consultas periódicas ao médico”, orienta Macedo. “Nos casos em que o paciente possui outras doenças, estas devem ser controladas, pois a pneumonia agrava os problemas pré-existentes”, destaca.
O médico pneumologista Alberto Cukier, do Serviço de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (Incor-HCFMUSP), lembra que a incidência da pneumonia cresce no outono e no inverno. "A gripe aumenta a suscetibilidade do paciente idoso à infecção pulmonar", informa Cukier. Por isso, recomenda-se a vacinação anual contra a gripe. “Além de reduzir a incidência da própria gripe, a vacina reduz os índices de pneumonias”, pondera. Nos casos das pessoas com maior predisposição à pneumonia, o médico pode indicar a vacina contra o pneumococo, que é a principal bactéria causadora da doença.

Mais informações:
Fabiana Fontainha/ Danúbia Teixeira / Lucila Martini
Fones: (11) 3094-2289/2253/2292/2240
E-mails: Fabiana.fontainha@bm.com

2 comentários:

Anônimo disse...

Bela reportagem sobre idosos. Os autores, mostram sua preocupação com as pessoas que já fizeram muito , que já deixaram sua história de transformação na sociedade. Se todos os jovens, pensasem dessa forma, certamente o seu futuro será com mais qualidade de vida.Parabéns.

Anônimo disse...

muito gratificante pra mim,saber que tem pessoas que ainda se preocupam com nossos idosos é um motivo de muita alegria e satísfação.pois são pesoas que deram e muitos ainda dao muito de si pra contribuir com nosso aprendizado e crescimento e evolução...e muitas "pessoas" os tratam como se ja não fizessem mais parte da sociedade,o exccluem totalmente.isso é um absurdo.PARABÉNS A MATERIA é um exemplo!

Vale a pena ler!