31/10/2016

• Exame preventivo é a melhor estratégia no combate ao câncer de mama

Fonte da imagem: dicaetal.files.wordpress.com
O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura

Os cuidados que a própria mulher deve ter, em seu dia a dia, como ter hábitos saudáveis, observar seu corpo e fazer exames de rotina, são a principal arma contra o câncer de mama. Esta atenção ao próprio corpo faz com que 65% das mulheres identifiquem o câncer casualmente e, muitas vezes, a doença pode estar em estágio inicial, aumentando a chance de cura. Somente em 2016, estima-se que mais de 57 mil novos casos de câncer de mama sejam diagnosticados no Brasil. Por este motivo, a campanha do Outubro Rosa incentiva os exames preventivos para a realização do diagnóstico precoce.

Exames de toque e a mamografia são indicados como as principais formas de detecção para o câncer de mama, sendo indispensáveis para as mulheres com mais de 40 anos. Entretanto, todas as mulheres independentemente da idade devem estar atentas ao risco de desenvolverem a doença. “Existem casos de mulheres jovens com câncer, então todas devem estar atentas aos sinais. Para esta faixa etária, a ecografia da mama e o exame de toque podem ser uma opção”, afirma a médica hematologista, Dra. Jerusa Miqueloto, do Laboratório Frischmann Aisengart.

Os exames laboratoriais e de imagem periódicos também auxiliam este monitoramento. “Todos os anos a mulher deve fazer exames para identificar possíveis problemas em seu corpo. Um hemograma, por exemplo, pode indicar alguma alteração e iniciar uma investigação que leve ao diagnóstico de câncer”, explica a médica.

Além dos métodos tradicionais de detecção, outras ações como o cuidado com a alimentação, a prática de exercícios físicos e o controle do peso corporal também são importantes para a prevenção e, se necessário, o tratamento do câncer. “Se a mulher tem hábitos saudáveis ela diminui os riscos do desenvolvimento do câncer em até 60% e responde melhor ao tratamento”, reforça.

Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart:

O Laboratório Frischmann Aisengart tem uma história de mais de 70 anos como referência na medicina diagnóstica, contando com mais de 600 colaboradores, 35 unidades de atendimento no estado, realizando em torno de três mil tipos de exames de análises clínicas. Além disso, oferece soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, contando também com o serviço de vacinas. Confira mais informações sobre a empresa no site www.labfa.com.br

28/10/2016

• Como escolher a atividade física ideal?


Cada vez que o verão se aproxima as pessoas ficam mais propensas a começar a praticar atividade física. Se você não tem uma modalidade preferida, qual escolher? Para a Aline Barbosa, fisioterapeuta do Clube de Reabilitação da ARTRO, o mais importante é fazer algo que você goste “Eu acredito muito que você pode fazer o que quiser, desde que queira. Partindo do princípio do biotipo corporal, por exemplo: tem pessoas que são mais competentes para correr, outras para nadar e assim por diante”, comenta a fisioterapeuta.


Antes de mais nada é necessário estar com os exames médicos de rotina em dia e também consultar um médico especializado para que ele libere o paciente para a atividade física.  “É importante enfatizar que o mais indicado é começar do mais fácil para o mais difícil para que o corpo vá se adaptando à atividade até chegar à alta intensidade para evitar lesões” avalia Aline Barbosa.

Caso haja lesão, na fisioterapia, o trabalho é para que os pacientes possam voltar a se exercitar com saúde e qualidade de vida. Para isso, o Clube oferece profissionais qualificados, estrutura física e equipamentos com tecnologia de última geração atendendo de maneira eficaz desde clientes com restrições a atividades cotidianas até atletas de alto rendimento.

Sobre o Clube de Reabilitação da ARTRO

No Clube de Reabilitação da ARTRO, existe o trabalho de condicionamento físico, que alia os conhecimentos da Fisioterapia e da Educação Física e desenvolve programas específicos e personalizados de acordo com o perfil, evitando consideravelmente o risco de lesões. Em atividades como agachar, saltar, puxar e levantar – comuns na prática esportiva –, são utilizados diversos equipamentos como bolas, elásticos e halteres para deixar o seu corpo saudável e apto às ações comuns nos esportes.

27/10/2016

• Qualidade de vida: A importância de manter um peso saudável

Daniele Tokars Zaninelli*

Muito se fala em manter um peso saudável, mas você conhece os motivos que tornam essa recomendação tão importante?

A manutenção de um peso saudável é considerada atualmente uma das principais medidas para a prevenção das doenças crônicas não transmissíveis, que representam a causa de cerca de duas a cada três mortes no Brasil.

Estudos populacionais mostram que o excesso de peso leva quase que inequivocamente a complicações de saúde, poisaumenta o risco de doenças como diabetes, colesterol alto, problemas cardiovasculares e respiratórios, gordura no fígado, apneia do sono, hipogonadismo masculino (baixa produção de testosterona), infertilidade, depressão e diversos tipos de câncer, sem falar nas complicações ortopédicas e limitações para as diversas atividades simples do dia a dia. O aparecimento de complicações costuma ser uma questão de tempo.

Além de comprometer a qualidade de vida, o excesso de peso aumenta o risco de morte prematura. Nos Estados Unidos já se prevê que a atual geração será a primeira a ter uma expectativa de vida menor do que a de seus pais. Um estudo mostrou que pessoas com sobrepeso (IMC 25 a 30Kg/m2) podem perder até três anos de vida, enquanto obesos (IMC 30-35Kg/m2) perdem até seis anos, e os muito obesos (IMC  35Kg/m2 ou mais) podem perder até oito anos de vida. Portanto, é importante que a obesidade seja reconhecida como uma doença crônica, e que seja tratada como tal.

Você pode calcular seu risco através do cálculo do IMC*:

* IMC (índice de massa corporal) = peso/altura x altura.

O tratamento da obesidade tem como pilares a redução do consumo energético e o aumento do gasto metabólico por meio da prática regular de exercícios físicos, porém mesmo recebendo essas orientações, grande parte dos pacientes não consegue perder e manter o peso de forma satisfatória. Infelizmente as mudanças comportamentais nem sempre são suficientes para vencer as barreiras biológicas ativadas no processo de emagrecimento. Nesses casos deve-se considerar o uso de medicamentos.

Sabemos que a perda de 5 a 10% do peso corporal reduz de forma significativa o risco de desenvolver complicações como o diabetes e as doenças cardiovasculares. Curiosamente, um estudo recente realizado nos Estados Unidos mostrou que menos de 1% das pessoas com indicação de uso de medicamentos para perda de peso recebe tratamento farmacológico. Isso pode demonstrar a resistência, ou talvez a falta de conhecimento, de que a obesidade é uma doença crônica, grave e progressiva, e que requer tratamento a longo prazo.

Uma parcela dos pacientes apresenta ainda indicação de tratamento cirúrgico da obesidade, que pode levar a um controle satisfatório do peso corporal e de suas comorbidades.

É importante ressaltar que pessoas com excesso de peso são constantemente expostas a propagandas de produtos que garantem resultados milagrosos. Deve-se estar atento para evitar o uso de substâncias que não foram submetidas à análise criteriosa dos órgãos regulatórios – o que ocorre com os tratamentos alternativos - que não se mostram seguros nem eficazes para o tratamento da obesidade. 

A tendência atual é avaliar e tratar a obesidade como uma doença que apresenta várias nuances, seja com relação à magnitude do excesso de peso, seja pela presença de comorbidades específicas. Deve-se dar atenção às necessidades de cada paciente para a escolha do tratamento adequado.

Ser obeso não é uma opção de vida, mas o resultado da interação entre uma série de fatores genéticos e do meio ambiente que merece ser tratada com seriedade, durante toda a vida do paciente.


*Dra Daniele Tokars Zaninelli, endocrinologista do Hospital VITA – Curitiba/PR. Graduada em Medicina pela Universidade Federal do Paraná, Residência em Clínica Médica, especialização em Endocrinologia e Mestrado no Serviço de Endocrinologia e Metabologia pelo Departamento de Clínica Médica do Hospital de Clínicas da UFPR; estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do HC/USP, estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Ospedale Maggiore di Milano (Itália) com área de atuação em Doenças da Tireoide, estágio no Serviço de Endocrinologia e Metabologia do Ospedale Policlínico II (Napoli - Itália) com área de atuação em Neuroendocrinologia. Membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, SOBEMON – Sociedade Brasileira para o estudo do Metabolismo Ósseo e da Sociedade Brasileira para o Estudo da Obesidade (ABESO)e da Endocrine Society.

26/10/2016

• Câncer, genética e espiritualidade

Cicero Urban*
Cicero Urban, professor de Metodologia Científica e
Bioética na Universidade Positivo e
vice-presidente do Instituto de Ciência e
Fé em Curitiba  
Crédito: Divulgação 
Acreditar em Deus faz diferença quando enfrentamos um câncer? Pode alterar a realidade de alguém destinado a desenvolver uma doença grave e letal? A fé muda o destino daqueles que sofrem? Estas não são questões simples e que podem ser respondidas sem a devida reflexão, sem o auxílio do método científico, da filosofia e da teologia.
Câncer é um termo genérico e que representa mais de mil doenças diferentes. A maioria delas é curável, se diagnosticada precocemente e, claro, se tratada de maneira adequada, por profissionais e centros tecnicamente preparados. Tudo isso sem a necessidade da intervenção divina. Bastam o método científico e o acesso aos meios diagnósticos e terapêuticos.
Muitos são os chamados e poucos são os escolhidos. Assim é na Bíblia. Assim também é na genética. Mesmo para aqueles raros portadores de mutações genéticas. Em geral, a maioria deles não desenvolverá as doenças a que estão predispostos. Assim, as doenças de origem genética surgem em quem pode e não em quem quer. Podemos dizer que são aleatórias, randomizadas, e não uma punição divina.
A espiritualidade pode ser definida como a propensão do homem para a busca de um significado transcendente para a vida e de uma conexão com algo maior. Ela pode ou não estar ligada a uma vivência religiosa. Até mesmo Marx falava da existência de uma espiritualidade sem Deus. Contudo, a relação dela com a saúde humana permanece um grande dilema. Mais espiritualidade pode significar menos sofrimento ou um preparo melhor para enfrentar doenças graves? Cura? As perdas provocadas pelas doenças podem ser amenizadas por um sentimento ou uma crença em algo maior que nós ou que compense a nossa vulnerabilidade existencial?
Existem alguns modelos de estudos que pretendem medir a espiritualidade. De novo, não se trata de medir a fé ou a religiosidade. Esta última, por exemplo, é um conjunto de sistemas culturais, valores morais e crenças que relacionam o ser humano com a espiritualidade. Ainda que isso tenha grandes limites metodológicos, a aplicação desses modelos pode ajudar no desenvolvimento de estudos científicos sobre o impacto da espiritualidade na saúde humana. Mas a ciência pretende medir os fatos concretos – compará-los e buscar uma relação de causa e efeito. A espiritualidade busca o transcendente e o intangível. Não quantificável. Podem ser aliadas?
Na prática oncológica, o que percebemos é que os pacientes que enfrentam a doença de maneira mais serena, em geral, são aqueles que estabeleceram relações interpessoais mais sólidas, maduras, seja com a família, seja com seus amigos. A classe social, por outro lado, não tem tanta interferência nisso. E no caso da religião? Por mais que alguns até sejam tentados a achar que pessoas religiosas tenham uma capacidade de aceitar melhor a dor e o sofrimento, a sua interferência possivelmente esteja mais ligada às relações interpessoais e à percepção do significado da vida através dela.
A espiritualidade, então, enquanto relação humana com algo maior, pode fazer diferença. E este algo maior pode até ser Deus para alguns. Mas pode também estar na família, no ideal ou em um legado social que deixamos para a posteridade. Se a imortalidade existe, ela nunca poderá ser provada cientificamente. Ficará nas obras e nas recordações. Os que mais sofrem não são aqueles que não têm religião ou que não acreditam em Deus, mas aqueles centrados em si mesmos. “Não existe dor maior do que a recordação dos tempos de glória na miséria”, dizia Francesca de Rimini. Dante tinha razão.
*Cicero Urban, médico oncologista e mastologista, é professor de Metodologia Científica e Bioética na Universidade Positivo e vice-presidente do Instituto de Ciência e Fé em Curitiba.

24/10/2016

• Obesidade e a infância – os cuidados que os pais devem tomar para manter a saúde dos filhos em dia


O excesso de peso é um problema grave de saúde, que pode predispor ao desenvolvimento de diversas complicações. Uma em cada três pessoas está acima do peso no mundo e, somente entre crianças menores de 5 anos, 42 milhões estão com sobrepeso, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). No Brasil, constatou-se que 7,3% das crianças nessa faixa etária estão com excesso de peso e, entre 5 e 9 anos, o percentual chega a 33,5%, de acordo com a pesquisa de 2015 feita pelo Sistema Nacional de Indicadores em Direitos Humanos (SNIDH). Dessa forma, a atenção dos pais deve ser redobrada com a alimentação e os hábitos dos filhos.

Uma alimentação saudável é o primeiro passo para prevenir a obesidade na infância. Nos primeiros seis meses de vida, o ideal é o aleitamento materno exclusivo, que supre todas as necessidades do bebê. A partir dessa fase, evitar alimentos industrializados e bebidas açucaradas já pode surtir um grande efeito no nível de açúcar consumido. Além disso, habituar a criança a consumir frutas e verduras também é essencial. Uma estratégia para incentivar a ingestão desses alimentos é transformar o momento de se alimentar em algo divertido e saboroso, chamando as crianças para auxiliar no preparo das refeições.

Além da alimentação balanceada, a maneira com que as crianças brincam também pode interferir no aumento de peso. A realização de brincadeiras mais ativas, que tirem a criança da frente da televisão ou do computador, pode ajudar muito na manutenção de peso saudável durante a infância. “A prática de atividade física regular interfere diretamente no apetite e no sono da criança, sendo um aliado importante na prevenção e combate à obesidade infantil”, afirma o endocrinopediatra, Dr. Alexandre Menna Barreto.

Para prevenir e tratar o sobrepeso e obesidade, assim como as complicações associadas, é necessário o acompanhamento médico e exames laboratoriais. “Muitas crianças com excesso de gordura corporal têm alteração nas taxas de glicose e colesterol no sangue, correndo risco de desenvolver doenças cardíacas e diabetes”, explica o médico, que alerta para a maior probabilidade de crianças obesas se tornarem adultos obesos, o que inevitavelmente resultará em sérios problemas nas fases adulta, assim como na terceira idade.

Sobre o Laboratório Frischmann Aisengart:

O Laboratório Frischmann Aisengart tem uma história de mais de 70 anos como referência na medicina diagnóstica, contando com mais de 600 colaboradores, 35 unidades de atendimento no estado, realizando em torno de três mil tipos de exames de análises clínicas. Além disso, oferece soluções diferenciadas e alto padrão de atendimento, contando também com o serviço de vacinas. Confira mais informações sobre a empresa no site www.labfa.com.br

21/10/2016

• Saiba os procedimentos estéticos mais indicados para você ficar com tudo em cima para o verão

Fisioterapeuta revela os métodos de maior sucesso de sua clínica e os que realmente fazem a diferença 

A primavera começa e os preparativos para o verão também. As academias estão mais cheias, as clínicas estéticas têm mais procura e as pessoas começam a fazer dietas. Tudo para poderem sair bem em fotos na praia. O procedimento estético do momento é a Criolipólise, um método onde a gordura é resfriada em temperaturas negativas para que as células mortas sejam destruídas pelo organismo. No entanto, o maior erro das pessoas, é acreditar que o procedimento sozinho irá resolver o problema.
 
Segundo a fisioterapeuta Ana Gil, diretora do Espaço Ana Gil, quem está pensando em fazer a criolipólise, ou até mesmo quem já fez, devem ter outros cuidados, para que os efeitos se mantenham “A criolipólise, é bastante eficaz, mas muitas pessoas ganham a gordura novamente, por não ter complementado o tratamento de eliminação de gordura com outros procedimentos coadjuvantes e não se preocuparem com a manutenção do resultado”, comenta.
 
De acordo com Ana, os tratamentos indicados para esse tipo de manutenção são: a drenagem linfática, a massagem modeladora ou a turbinada “Inclusive quando a eliminação se dá por cirurgia de lipoaspiração ou abdominoplastia, a drenagem linfática é imprescindível, para eliminar o edema Pós operatório e evitar possíveis aderências e fibroses", diz.
 
Além dessas três, Ana Gil revela outros procedimentos eficazes. Confira:
 
1. Dermotonia: Muito indicada para gordura localizada, celulite, pré e pós-cirúrgicos, aderências e fibroses cicatriciais. Através da utilização de um aparelho que realiza a sucção da gordura. Ajuda na reestruturação do tecido conjuntivo, estimula a circulação sanguínea e linfática, facilita a eliminação de toxinas.
 
2. Eletroestimulação: também conhecido como Estimulação  Russa, esse procedimento utiliza correntes elétricas para o tratamento de flacidez dos tecidos e melhora do tônus muscular e do fluxo sanguíneo. Diminui a flacidez, ajuda no combate à celulite e no ganho de contornos musculares, que muitas vezes não é conquistado mesmo com atividade física.
 
3. Radiofrequência: Através do aquecimento da pele, esse método estimula a formação de colágeno e aumenta o metabolismo celular. É indicado principalmente para tratamento da flacidez e auxilia na redução e prevenção de rugas na pele.
 
4. Ultra-Som: Utilizado no tratamento de celulite, gordura localizada e melhora da aparência de cicatrizes. Através da estimulação da circulação sanguínea, ativa o metabolismo adiposo e aumenta a extensibilidade das fibras colágenas. 
 
A fisioterapeuta completa “Mesmo realizando procedimentos estéticos, é de extrema importância ressaltar que sua eficácia aumenta com a combinação de dieta equilibrada e exercícios físicos. O ideal é que os exercícios sejam feitos em até 4 horas após o procedimento”, conclui.
 
Serviço: Espaço Ana Gil, clínica é de Fisioterapia, Estética e Pilates e se localiza na Barra da Tijuca.  
Ana Gil
Fisioterapia Ortopédica, Pilates, RPG e Estética. Pós-graduada em Anatomia Humana e Biomecânica – UCB, Mestre em Educação Física - EEFD/UFRJ.
21 2439-8600/98173-9765
Instagram: @espacoanagil
Twiter: @espacoanagil
Av. das Américas, 2.250, sala 306, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

19/10/2016

• Como identificar se seu filho tem dislexia?

Por Prof. Dr. Mario Louzã, médico psiquiatra, doutor em Medicina pela Universidade de Würzburg, Alemanha. Membro Filiado do Instituto de Psicanálise da Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo (CRMSP 34330)

É no início da fase escolar, principalmente na alfabetização, que começamos a notar se a criança possui algum distúrbio de aprendizado: troca letras, tem dificuldade de compreensão das atividades, não tem o mesmo ritmo que os colegas, entre outros comportamentos que destoam do “normal”. Um destes distúrbios de aprendizado pode ser a dislexia, caracterizada pela dificuldade de leitura e escrita, percebidas na decodificação e interpretação de letras e palavras.

As principais áreas afetadas no cérebro são os lobos temporais, além de algumas estruturas dos lobos frontais e parietais. Não se sabe exatamente como são afetadas. Aparentemente, os circuitos neuronais responsáveis pela integração das diversas fases da leitura (desde o reconhecimento gráfico visual das letras até a transformação destas em uma palavra com um significado e uma fonética) são afetados.

A dislexia atinge cerca de 5-10% da população infantil, e suas causas ainda não são totalmente conhecidas. O que se sabe é que o fator genético é preponderante (genes ligados ao desenvolvimento do cérebro no embrião e na criança). A dislexia é detectada, em geral, no início da alfabetização, na faixa dos 5 a 7 anos.

Se houver dislexia, a partir dos 7 anos, a criança não desenvolve a leitura na mesma velocidade que os outros colegas. A leitura é mais lenta e, ao escrever, costuma trocar letras ou escreve ao contrário, como se fosse a visão de um espelho (‘b’ e ‘d’, ‘p’ e ‘q’). A criança também pode inverter a letra ao escrever (‘s’ em forma de ‘z’, por exemplo). Com os números, não é diferente. Pode haver uma inversão, por exemplo, entre o ‘6’ e o ‘9’.

Vale ressaltar que há vários tipos de dislexia:

- Dislexia Adquirida: é mais recorrente em adultos, e pode ocorrer após algum tipo de traumatismo craniano, derrame cerebral ou doenças neurodegenerativas.

- Dislexia de Desenvolvimento: é a dislexia típica do desenvolvimento da criança, sem uma causa aparente. Contrasta com a dislexia adquirida, que é consequência de alguma doença neurológica.

- Dislexia Fonológica: é a dificuldade de ler palavras desconhecidas.

- Dislexia Superficial: neste tipo de dislexia, as palavras que são lidas da mesma forma que são escritas, como ‘bala’, não geram dificuldade, ao contrário das palavras cuja escrita não coincide com a pronúncia, dificultando a leitura (por exemplo, ‘exercício’ – o ‘x’ é pronunciado como um ‘z’).  

- Dislexia Profunda ou Mista: envolve dificuldade tanto no reconhecimento sonoro da palavra quanto na compreensão de seu significado.

O diagnóstico é feito por uma equipe que envolve psiquiatra, fonoaudiólogo e, eventualmente, um neuropsicólogo. No entanto, quem realiza o tratamento é um fonoaudiólogo. Além do apoio emocional, os pais podem ajudar os filhos no treino de leitura (ler alto ou auxiliar na compreensão do que está sendo lido) ou em qualquer atividade lúdica que envolva o reconhecimento das letras, das palavras, dos seus sons e de seus significados.

17/10/2016

• Equilibrando hormônios femininos com exercícios físicos

Especialista curitibano, Sergio Buso, dá dicas para as mulheres equilibrarem seus organismos

O corpo feminino é um mistério em muitos sentidos, mas especialistas em exercícios físicos orientam que um programa de treinamento individualizado pode ajudar muitas mulheres a equilibrarem seus hormônios, explica o curitibano Sergio Buso, que comanda o Studio Sergio Buso, a primeira franquia na cidade da Gallo Personal Systems.

“Não basta só se matricular em uma academia ou sair andando ou correndo pelas ruas. O corpo saudável precisa estar organizado e, no caso das mulheres, um programa adequado pode ajudar a equilibrar hormônios, inclusive, ajudando na melhora dos resultados, a dormir melhor e a fazer o corpo voltar a trabalhar a seu favor”, comenta Sergio Buso.

 O especialista explica que cada mulher lida com o excesso ou diminuição dos hormônios de uma forma diferente. Um exemplo é o ciclo menstrual, que interfere muito no dia a dia e também na rotina de atividade física. “Tendo consciência de como o seu corpo funciona, a mulher pode adequar seus exercícios e usar tudo isso a seu favor”, diz.  

 As mulheres são regidas por eles. Buso explica que toda substância hormonal atua como um mensageiro dentro do corpo, circulando pela corrente sanguínea e interferindo positivamente ou negativamente em diversos órgãos. “Se o corpo estiver desequilibrado, se eles estiverem atuando de forma muito fraca ou intensa, tudo isso vai interferir no corpo feminino. Por isso, muitas vezes, escutamos alguém dizendo que faz bastante atividade física, mas não consegue os resultados que espera, seja emagrecer ou diminuir a celulite ou flacidez, por exemplo”.

O especialista diz ainda que uma análise adequada e exercícios personalizados, sejam eles de frequência, intensidade ou forma, ajudam o organismo feminino a se reorganizar e os hormônios passam a ser grandes aliados. “Além disso, aumenta-se a sensação de leveza, melhora o humor, os rins e intestinos passam a funcionar melhor e até o desempenho, para as atividades diárias, melhoram”, comenta.

Sobre o Studio Sergio Buso:

Buso conta com a especialização na metodologia criada pelo prof. Gallo, focada no atendimento, avaliação, prescrição customizada de programas de exercícios físicos, que proporciona a adaptação das pessoas à prática regular de atividade física, promovendo assim, uma maior integração social, melhoria do condicionamento físico, diminuição do nível de estresse, prevenção e reabilitação de lesões e contribuição para uma melhor qualidade de vida de forma educativa, criativa, dinâmica e consciente, aliando a educação física, fisioterapia e nutrição dentro do processo reeducativo.

Na unidade curitibana, os clientes contam com uma estrutura especializada para o seu treinamento, podendo contar com diversos modelos de atendimento, além de uma estrutura física que facilita a avaliação, o atendimento individual e treinos customizados.

 Uma das novidades apresentadas pelo Studio Sergio Buso é o programa de atendimento a Grupos especiais, que precisam de uma orientação diferenciada, como obesidades, diabetes, cardiopatias, Gestantes, síndrome de down, Parkinson e autismo. Destaque também para a personalização de programas de emagrecimento.

Gallo é conhecido por ser o personal das celebridades, mas sua história de paixão pelo esporte começou muito cedo, como atleta recordista brasileiro de lançamento de dardo, competindo pela Gama Filho. Foi seis vezes campeão brasileiro e bi-campeão sul-americano. Formado em Educação Física, trabalhou em academias e iniciou alguns trabalhos de atendimento individualizado, utilizando todas as suas experiências de atleta de alto rendimento e o que aprendeu no atletismo direcionando para a qualidade de vida e para o fitness, e aliado também à sua formação na área de fisioterapia. O Studio Sergio Buso em Curitiba está localizado na Rua Capiberibe, 580, Santa Quitéria.

14/10/2016

• Saiba os procedimentos estéticos mais indicados para você ficar com tudo em cima para o verão

Fisioterapeuta revela os métodos de maior sucesso de sua clínica e os que realmente fazem a diferença 

A primavera começa e os preparativos para o verão também. As academias estão mais cheias, as clínicas estéticas têm mais procura e as pessoas começam a fazer dietas. Tudo para poderem sair bem em fotos na praia. O procedimento estético do momento é a Criolipólise, um método onde a gordura é resfriada em temperaturas negativas para que as células mortas sejam destruídas pelo organismo. No entanto, o maior erro das pessoas, é acreditar que o procedimento sozinho irá resolver o problema.
 
Segundo a fisioterapeuta Ana Gil, diretora do Espaço Ana Gil, quem está pensando em fazer a criolipólise, ou até mesmo quem já fez, devem ter outros cuidados, para que os efeitos se mantenham “A criolipólise, é bastante eficaz, mas muitas pessoas ganham a gordura novamente, por não ter complementado o tratamento de eliminação de gordura com outros procedimentos coadjuvantes e não se preocuparem com a manutenção do resultado”, comenta.
 
De acordo com Ana, os tratamentos indicados para esse tipo de manutenção são: a drenagem linfática, a massagem modeladora ou a turbinada “Inclusive quando a eliminação se dá por cirurgia de lipoaspiração ou abdominoplastia, a drenagem linfática é imprescindível, para eliminar o edema Pós operatório e evitar possíveis aderências e fibroses", diz.
 
Além dessas três, Ana Gil revela outros procedimentos eficazes. Confira:
 
1. Dermotonia: Muito indicada para gordura localizada, celulite, pré e pós-cirúrgicos, aderências e fibroses cicatriciais. Através da utilização de um aparelho que realiza a sucção da gordura. Ajuda na reestruturação do tecido conjuntivo, estimula a circulação sanguínea e linfática, facilita a eliminação de toxinas.
 
2. Eletroestimulação: também conhecido como Estimulação  Russa, esse procedimento utiliza correntes elétricas para o tratamento de flacidez dos tecidos e melhora do tônus muscular e do fluxo sanguíneo. Diminui a flacidez, ajuda no combate à celulite e no ganho de contornos musculares, que muitas vezes não é conquistado mesmo com atividade física.
 
3. Radiofrequência: Através do aquecimento da pele, esse método estimula a formação de colágeno e aumenta o metabolismo celular. É indicado principalmente para tratamento da flacidez e auxilia na redução e prevenção de rugas na pele.
 
4. Ultra-Som: Utilizado no tratamento de celulite, gordura localizada e melhora da aparência de cicatrizes. Através da estimulação da circulação sanguínea, ativa o metabolismo adiposo e aumenta a extensibilidade das fibras colágenas. 
 
A fisioterapeuta completa “Mesmo realizando procedimentos estéticos, é de extrema importância ressaltar que sua eficácia aumenta com a combinação de dieta equilibrada e exercícios físicos. O ideal é que os exercícios sejam feitos em até 4 horas após o procedimento”, conclui.
 
Serviço: Espaço Ana Gil, clínica é de Fisioterapia, Estética e Pilates e se localiza na Barra da Tijuca.  
Ana Gil
Fisioterapia Ortopédica, Pilates, RPG e Estética. Pós-graduada em Anatomia Humana e Biomecânica – UCB, Mestre em Educação Física - EEFD/UFRJ.
21 2439-8600/98173-9765
Instagram: @espacoanagil
Twiter: @espacoanagil
Av. das Américas, 2.250, sala 306, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

13/10/2016

● Valmira - Biodanza - "Rita Fedon Entrevistas" (TV Floripa)

● Parceria do Blog Comportamento Saudável, com o Programa "Rita Fedon Entrevistas" (TV Floripa - canal 4 NET Florianópolis) ● Link da entrevista no YouTube: https://youtu.be/FEml9NF5p6s ● Curta o Rita Fedon Entrevistas: https://www.facebook.com/ritafedonentrevistas


Veiculação da entrevista: 13/10/16 Entrevistada: Valmira Nair de Sousa, professora didata de biodanza (Sistema Rolando Toro) Assunto: Biodanza ● Contatos de Valmira Nair de Sousa - professora didata de biodanza Grupo Regular de Biodanza no Estreito Endereço: Rua Bernardino Vaz, 177 - próximo ao corpo de bombeiros Telefone: (48) 96077045 E-mail: valmirasousa20@yahoo.com.br



12/10/2016

• Diabético? Novas descobertas permitem seu dentista medir sua hemoglobina

Amostras de sangue bucal retiradas de bolsas profundas da inflamação periodontal podem ser usadas para medir a hemoglobina A1c, um importante medidor da condição de diabetes do paciente

Uma equipe de pesquisa de enfermagem e odontologia da Universidade de Nova York, fez a descoberta, dizendo serem boas notícias para pacientes que podem achar a coleta de sangue no consultório odontológico menos invasiva do que a picada na ponta do dedo. A detecção precoce da diabetes, pode também ajudar a prevenir muitas das complicações da doença no longo prazo.
As medições da hemoglobina A1c na glicose sanguínea do sangue oral se comparam bem com aquelas do sangue obtido da ponta do dedo, e dizem os pesquisadores, que o teste tem alto grau de precisão “A hemoglobina A1c é amplamente utilizada no teste para diabetes. De acordo com diretrizes estabelecidas pela Associação Americana para Diabetes, uma leitura de A1c correspondente a 6,5 ou mais, indica um valor dentro da faixa do diabetes” afirma a Dra. Cristina Gottlieb, atual presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Dental, e diretora da clínica The Dental SPA, no Rio de Janeiro.
Segundo a presidente, uma visita ao dentista poderia ser uma oportunidade útil de realizar um teste inicial de diabetes “Existe uma necessidade urgente de aumentar as oportunidades de pesquisa de diabetes e detecção precoce. A questão da diabetes não diagnosticada, é especialmente crítica, porque o tratamento precoce e os esforços secundários de prevenção, podem ajudar a prevenir ou retardar as complicações de longo prazo. Quando não detectada no início, é responsável por reduzir a qualidade de vida e aumentados níveis de risco de mortalidade”, comenta a Dra. Cristina, que endossa no Brasil as pesquisas americanas.
Os pesquisadores da NYU compararam os níveis da hemoglobina A1c em amostras pareadas de sangue oral e da ponta do dedo, retirados de 75 pacientes com doença periodontal, na Faculdade de Odontologia da Universidade de Nova York. Uma leitura igual ou superior a 6,3 na amostra oral, correspondia a uma leitura de 6,5 da ponta do dedo, na identificação da faixa de diabetes, com mínimos resultados falso-positivos e falso-negativos.
O estudo de um ano usou uma versão do kit para teste da hemoglobina A1c, que foi inicialmente desenvolvido especificamente para possibilitar que dentistas e higienistas bucais coletassem amostras de sangue da ponta do dedo. Dr. Shiela Strauss, responsável pela pesquisa nos EUA, diz que o método de teste da hemoglobina A1c requer que apenas uma única gota de sangue seja coletada, aplicada a um cartão especial e enviada ao laboratório.
De acordo com a Dra Cristina Gottlieb “Atualmente estamos focados também no diagnóstico precoce da diabetes, através dos testes de fluxo salivar e análise de PH", diz a especialista em odontologia “Estamos abrindo novos horizontes para a especialidade, que defendo veementemente, a Medicina Dental, e estamos lutando nos órgãos de classe por este reconhecimento da especialidade, como um diferencial de ponta no diagnóstico de doenças graves em fase inicial”, conclui a doutora, que já aplicava testes em saliva e sangue no Centro de Hemodiálise da Beneficência Portuguesa, a fim de detectar precocemente presença de proteína C reativa - relacionada à infartos do miocárdio e doenças degenerativas do organismo. A especialista em odontologia, finaliza, afirmando que, ao ser realizado tratamento em fase precoce, tem excelentes resultados clínicos de otimização da vida do paciente.
Serviço: The Dental SPA
Drª Cristina Gottlieb
(21) 2132-7277/ 2025-2009 / 3827-7277
Shopping Città América (Av. das Américas, 700 lj 113-C e D, piso térreo - Barra da Tijuca – Rio de Janeiro).

10/10/2016

• Sofre de incontinência urinária? Pilates é um dos tratamentos mais eficazes

Fisioterapeuta explica a eficácia do Pilates no fortalecimento dos músculos pélvicos para a prevenção e redução do incômodo "vazamento" da bexiga 

A incontinência urinária pode ocorrer em qualquer idade e ambos os sexos. No entanto, sua incidência é 3 vezes maior em mulheres, principalmente na pós-menopausa, onde um em cada três idosos sofrem do problema. Diferente do que muitos imaginam, a incontinência urinária, tem sua definição pela International Continence Society (ICS) como “queixa de qualquer perda involuntária de urina”. Ou seja, se você tossir e com isso escapar umas gotinhas de urina, pode ser indício de incontinência urinária, o que acarreta em muitas pessoas desenvolverem o problema e não saberem.
A incontinência urinária (IU) afeta a qualidade de vida, compromete o bem estar físico, emocional, psicológico, social e até mesmo sexual. Além de poder acarretar em perda da autoestima, constrangimento, isolamento social e até mesmo depressão. Segundo a Fisioterapeuta e Mestre em Educação Física, Ana Gil, o Pilates é uma das formas de amenizar os sintomas da IU “O Pilates trabalha o corpo de forma global, oferece diversos benefícios e proporciona o condicionamento físico de forma bem ampla”, explica.
“Dentre esses benefícios está o fortalecimento do Core: um conjunto de músculos que envolvem a nossa lombar e pelve internamente e possuem a função de estabilizar a região lombo-pélvica. O fortalecimento desses músculos é uma forte ferramenta para o tratamento da incontinência urinária, principalmente em mulheres, visto que os músculos do períneo ou assoalho pélvico fazem parte desse grupo muscular”, completa a especialista.
De acordo com a fisioterapeuta, diretora do Espaço Ana Gil, ao menor sinal, o ideal é a procura de auxílio médico e avaliação de qual tipo e em qual nível se encontra, para assim, haver a indicação ideal do tratamento para cada caso “Os tratamentos podem envolver medicamentos, fisioterapia uroginecológica, exercícios físicos e até cirurgia, dependendo da gravidade do caso. E diversos estudos científicos comprovam a eficácia do método Pilates tanto na prevenção quanto no tratamento de incontinência urinária já instalada”, comenta.
Ana Gil diz que em sua clínica as aulas de Pilates são complementadas com exercícios de Treinamento Funcional, método que também trabalha o fortalecimento do Core “Há pouco tempo, uma aluna da clínica relatou que após 3 meses de Pilates, ela já não precisava levantar 5 vezes para urinar e conseguia dormir praticamente a noite toda. Com o assoalho pélvico fortalecido, é notório a melhora do quadro em poucos meses. Reduz o volume de urina durante a noite, melhora o controle miccional e até a qualidade sexual”, finaliza a profissional.
Serviço: Espaço Ana Gil, clínica é de Fisioterapia, Estética e Pilates e se localiza na Barra da Tijuca.  
Ana Gil
Fisioterapia Ortopédica, Pilates, RPG e Estética. Pós-graduada em Anatomia Humana e Biomecânica – UCB, Mestre em Educação Física - EEFD/UFRJ.
21 2439-8600/98173-9765
Instagram: @espacoanagil
Twiter: @espacoanagil
Av. das Américas, 2.250, sala 306, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

07/10/2016

• O sexo moderno: Mulheres tiram de letra e homens ainda tem muito o que aprender

Especialista em psicologia do homem fala sobre a banalização do sexo e como isso afeta as relações com as mulheres 

Não é de hoje que as mulheres estão ascendendo na sociedade. Elas, que antes só eram valorizadas na administração do lar, hoje, são empreendedoras, administram empresas, multinacionais, cidades e países. Naturalmente, com o despertar desse poder e com a oportunidade de mostrar o seu real valor, o sexo feminino não se contenta mais com qualquer coisa. Para os homens, impressionar uma mulher se tornou muito mais difícil. E de acordo com a psicóloga Carla Ribeiro, o problema começa com o próprio homem, porque este tem muita dificuldade de acompanhar esta evolução feminina.
“Querendo ou não, a maioria dos homens ainda pensa como um homem de 40 anos atrás. Alguns homens tem uma ideia muito pobre quanto ao sexo. Um relacionamento sexual pouco criativo e com experiências que não satisfazem a mulher de hoje. É necessário que os homens entendam, que hoje as mulheres tem vontades diferentes e ele precisa conhecer aquela com quem ele está no momento. Cada mulher tem sua caixinha de segredos a ser descoberta, e será por aquele homem que tiver mais paciência e ambição de se envolver num caminho de sedução e prazer ”, explica a psicóloga.
Especializada em saúde do homem, Carla diz que a postura retrógrada do homem começa desde que ele é ensinado a ser um homem por sua família. E pode ser reforçada nas primeiras relações sexuais e no convívio num ambiente machista “ As mulheres estão mas exigentes, querem ter mais prazer e os homens precisam estar envolvidos nisso. Se o homem ainda acreditar que somente seu prazer é importante, irá  comprometer sua relação com aquela mulher. Mesmo que seja no sexo casual, os homens e mulheres querem se satisfazer sexualmente, querem se ver importantes e valorizados naquele momento da relação sexual”, argumenta Carla.
Segundo a especialista, o sexo precisa ser visto como algo que faz parte da vida de cada um de nós. Como explica Carla, a sexualidade está em nós desde que nascemos e ao longo do nosso crescimento cognitivo e fisiológico, iremos aprender a lidar com nossa sexualidade conforme nos foi ensinado. Mas é justamente neste momento infantil que vão sendo apresentado valores e conceitos distorcidos, errados e duvidosos para esta criança,  que podem permanecer até a fase adulta. As mulheres são mais curiosas, buscam mais informações sobre sexo e aprendem um pouco mais. Mas os homens acreditam que “já nascem sabendo”, tudo sobre sexo e muitos convivem o resto da vida com uma visão errada sobre o que é sexo de verdade.
Outro problema sério citado pela psicóloga, que aborda o cenário sexual e pode complicar bastante as relações, é a ejaculação precoce “O maior empecilho entre o problema e o tratamento, é o próprio homem. Ele tem essa dificuldade de admitir para si mesmo que existe um problema. Em 90% dos casos de EP é por questões psicólogicas, mas mesmo assim deve ser investigado por um médico urologista. E confirmado a demanda psicológica, ser encaminhado ao profissional especializado em Sexualidade Humana.
De acordo com Carla Ribeiro ”Sexo saudável é quando as parcerias se comprometem a descobrirem um ao outro sem medo. O investimento nas preliminares é o primeiro passo para que a prática sexual fique ainda melhor, onde o homem e a mulher descobrem seus gostos e suas limitações. Sexo é também sinônimo de saúde, bem estar, de bom humor, alegria de viver, disposição. Sexo é sinônimo de humildade para aprender. E muita coragem de assumir as emoções e as sensações prazerosas que o sexo proporciona”, finaliza.
Serviço: Carla Ribeiro
Psicóloga Clínica e Hospitalar voltada para Saúde do Homem

06/10/2016

● Andressa Campos - "Rita Fedon Entrevistas" (TV Floripa)

● Parceria do Blog Comportamento Saudável, com o Programa "Rita Fedon Entrevistas" (TV Floripa - canal 4 NET Florianópolis) ● Link da entrevista no YouTube: https://youtu.be/lJINQeTDw4g ● Curta o Rita Fedon Entrevistas: https://www.facebook.com/ritafedonentrevistas
Veiculação da entrevista: 06/10/16 Entrevistada: Andressa Campos, palestrante, empreendedora, empresária, coach, professora, arteterapeuta e naturóloga Assunto: "Como transformar um padrão negativo repetitivo em nossas vidas?"
Contatos - Coach integral e ministra cursos e treinamentos sobre liderança aplicada em empresas
Telefone: (48) 9968-3392 Site: www.andressacampos.com.br

05/10/2016

• Dengue: Mitos e verdades sobre a doença e a vacina

Marta Fragoso é infectologista do Hospital VITA 
Créditos: Divulgação 
1- AAS e anti-inflamatórios são contraindicados no tratamento dos sintomas da Dengue?
Verdade. O tratamento consiste na hidratação intensa e medicamentos sintomáticos. O AAS e anti-inflamatórios são contraindicados, pois podem desencadear sangramentos ou piorá-los.  
2- Os sintomas da Dengue tipo 4 são diferentes e mais graves do que os outros tipos de vírus da doença?
Mito. Os sintomas da Dengue são iguais para qualquer um dos tipos de vírus.
3- Apenas a fêmea do mosquito Aedes Aegypti transmite o vírus da Dengue?
Verdade. A fêmea se alimenta de sangue para garantir o desenvolvimento de seus ovos.
4- Há possibilidade de prevenção da Dengue por meio de vacina.
Verdade. Está disponível a Dengvaxia, do Laboratório francês Sanofi Pasteur contra os 4 sorotipos de vírus da Dengue.
5- A Dengue causa apenas doença leve.
Mito. A doença pode evoluir de forma grave e o desfecho pode ser o óbito. Em 2015 o Brasil registrou 1.649.008 casos de Dengue com 1.596 casos graves e 863 óbitos.
6- A vacina contra a Dengue não tem segurança na proteção contra casos graves.
Mito. A vacina é segura e eficaz, passou por múltiplos estudos robustos que mostram que proporciona proteção de 93% contra a Dengue grave, reduz em 80% os óbitos e as internações pela doença.
7- A vacina disponível não protege contra todos os sorotipos de vírus da Dengue.
Mito. A vacina atualmente disponível é indicada para a prevenção da dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4.
8- A vacina disponível protege totalmente na primeira dose.
Mito. A primeira dose da vacina garante 70% de efetividade sendo necessário mais a 2° e 3° dose para garantir imunidade adequada. O esquema se completa com três doses com 6 meses de intervalo (0-6-12 meses, por via subcutânea)   
9- A vacina contra a Dengue atualmente disponível também imuniza contra a Chicungunya e contra o Zika vírus.  
Mito. A vacina contra a Dengue imuniza somente contra os 4 sorotipos de vírus da Dengue.
10- Pessoas que já tiveram Dengue podem tomar a vacina.
Verdade. A vacina foi aprovada tanto para pessoas que nunca tiveram Dengue como para aquelas que já tiveram a doença.
11- A vacina é efetiva em qualquer idade.
Mito. A vacina foi aprovada para uso adulto e pediátrico apenas para a faixa etária entre 9 e 45 anos de idade.
12- A vacina contra a Dengue pode causar febre.
Verdade. É possível que a vacina provoque febre e outros efeitos adversos leves comuns em outras vacinas, no entanto não contraindica a implantação da vacina em larga escala.
  
*Marta Fragoso: infectologista do Hospital VITA e responsável pelo Centro de Vacinação VITA

03/10/2016

• Nesse Outubro Rosa, todas as formas possíveis de prevenção e tratamento do câncer de mama devem ser exploradas

Especialista explica como a fisioterapia ajuda, e muito, na recuperação de pacientes 

O câncer de mama, embora atinja em sua grande maioria, mulheres de 35 à 60 anos, vem se espalhando, cada vez mais, entre as jovens adultas e também, homens. Caracteriza-se pela formação de nódulos nas glândulas mamárias, que com um crescimento rápido e desordenado de células, pode evoluir para tumores malignos e até mesmo, espalhar-se pelo resto do corpo. Pela sua rápida evolução é importantíssimo que as mulheres façam o autoexame periodicamente - além dos exames realizados por profissionais - e conheçam seus seios o suficiente para reconhecerem alterações e informarem ao médico ginecologista, para que o câncer seja detectado o mais rápido possível.
Quando há a constatação do tumor mamário, além dos tratamentos com quimio e radioterapia, e a própria cirurgia de retirada parcial ou total das mamas (em casos mais extremos), há outras maneiras de aliviar os sintomas e sequelas, como explica a fisioterapeuta, Ana Gil.
“No caso da mastectomia, o tratamento vai muito além da drenagem linfática. A fisioterapia busca não só a redução do edema existente, mas trabalha também a cicatriz; previne e melhora a mobilidade e força do ombro e membros superiores - que são afetados pelos procedimentos cirúrgicos. Muitas vezes há também alterações posturais, onde entra o RPG e por fim o Pilates, que auxilia no tratamento e manutenção dos ganhos da fisioterapia”, afirma a profissional.
Ainda segundo a especialista e diretora do Espaço Ana Gil, é importante ressaltar que o tratamento pode começar antes da cirurgia, com o condicionamento físico no Pilates, pois os exercícios amenizam as sequelas do pós-operatório "Além disso, o ambiente da clínica e de sociabilidade também são importantes para a paciente, pois é muito comum a baixa da autoestima e até depressão", finaliza.
O Pilates também é considerado uma forma de prevenção ao câncer de mama e de cólon, visto que, de acordo com o relatório de “Recomendações Mundiais Sobre Atividade Física”, feito pela Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 25% dos casos destes tipos de câncer poderiam ser prevenidos se as pacientes praticassem exercícios por, no mínimo, 2 horas e meia por semana.
De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), os tumores mamários malignos, são os que mais levam as brasileiras à morte, e a estimativa é de 57.120 mil casos de tumores de mama por ano. Se há histórico familiar de câncer de mama na sua família, se você teve sua primeira menstruação antes dos 11 anos de idade, e passou dos 30 anos sem ter tido filhos, fique atenta, pois estes são fatores de risco.
O câncer de mama, quando identificado no início, tem até 95% de cura! Por isso, atente-se aos sinais. A melhor época para se fazer o autoexame, é durante os primeiros dias após a menstruação, quando as mamas estão desinchadas. Não deixe de marcar uma consulta com o ginecologista, pelo menos, uma vez por ano. Mantenha sua saúde íntima, e seus exames, em dia.
Serviço: Espaço Ana Gil, clínica é de Fisioterapia, Estética e Pilates e se localiza na Barra da Tijuca.  
Ana Gil
Fisioterapia Ortopédica, Pilates, RPG e Estética. Pós-graduada em Anatomia Humana e Biomecânica – UCB, Mestre em Educação Física - EEFD/UFRJ.
21 2439-8600/98173-9765
Instagram: @espacoanagil
Twiter: @espacoanagil
Av. das Américas, 2.250, sala 306, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ.

Mais visualizadas na última semana